InícioCalendárioFAQBuscarMembrosGruposRegistrar-seConectar-se
Últimos assuntos
» [Ficha] - Adore Asure
Ter Jun 14, 2016 12:05 pm por Admin

» ► Pericias
Ter Jun 14, 2016 11:45 am por Admin

» [ Adore ] - A Salamandra
Ter Jun 14, 2016 10:50 am por Admin

» ► Mini Aventura
Seg Jun 13, 2016 11:05 am por Admin

» ► Modelo de Ficha
Sex Jun 10, 2016 12:27 pm por Admin

» ► Busca por Professor
Qui Jun 09, 2016 5:51 pm por Admin

» ► Área de mudanças no Personagem
Qui Jun 09, 2016 4:56 pm por Admin

» ► Arquivos de Alunos da Academia
Qui Jun 09, 2016 4:50 pm por Admin

» ► Área de Apresentação
Qui Jun 09, 2016 4:41 pm por Admin


Compartilhe | 
 

 [ Adore ] - A Salamandra

Ir em baixo 
AutorMensagem
Adore

avatar

Mensagens : 2
Data de inscrição : 13/06/2016

MensagemAssunto: [ Adore ] - A Salamandra   Seg Jun 13, 2016 5:18 pm

Nome: Adore Asure - Salamandra
Idade: 21 anos
Sexo: Mulher Trans
Localização: Brasil / São Paulo

Mini Aventura: A Salamandra


  Já era de madrugada em são Paulo quando em um hotel no centro da cidade, um executivo saia de um dos quartos fumando e segurando seu palito em mãos, fechava a porta com um sorriso nos lábios e andava para o elevador, ali ele fazia o que era comum a homens poderosos, se aquecia na cama de uma garota de programa, para sentir poderoso com uma garota jovem, e naquele quarto em frente a janela bebendo uma garrafa de tequila no gargalo havia uma jovem linda de cabelos vermelhos e lábios grandes e brilhantes em um vermelho sangue, a garrota trajava apenas uma camisa amassada e uma calcinha preta que deixava sutilmente a amostra um volume, que deixava claro que algo se escondia ali dentro. Ela também não era muito diferente de muitas outras mulheres trans que eram obrigadas a se sujeitar a este tipo de vida para ter algum dinheiro, já que muitos empresários adorariam fazer sexo com elas mas poucos cederiam oportunidades em suas empresas para elas.

  Seu nome era Adore, e sua vida com programas iniciou-se aos 18 anos, quando conseguiu se assumir para sua família, eles não aceitaram muito bem a situação e a mandaram sair de casa e esquecer que um dia teve família, afinal, não queriam aquele "erro" em suas vidas. A garota saiu de casa, e por algum tempo morou com uma amiga, e então sem precisar se esconder, ela decidiu se vestir como se sentia bem e deixar o feminino transparecer mais, porém ainda carregava muitos estereótipos físicos masculinos, alguns que mesmo toda a maquiagem do mundo, não a permitia esconder. Foi neste momento que ela conheceu Raquel Lince, uma trans que auxiliou ela a começar a usar hormônios femininos.

  Sua vida apesar de conturbada pelos fantasmas do passado, aos poucos foi se tornando interessante, pois a garota trabalhava como homem em um escritório, e todo o resto do tempo poderia ser a garota, que queria ser, o problema foi que as mudanças físicas da jovem acabaram fazendo que o chefe soube-se e o mesmo não se sentia mais bem em ter a garota que até então se chamava Alisson, em sua empresa. A garota tentou arrumar trabalho das mais diversas maneiras, seu aluguel estava atrasado, e mau havia dinheiro para pagar seus hormônios, que cada vez mais eram bastante importantes.

  Neste ponto de sua vida Alisson decidiu aceitar a ajuda de sua amiga Raquel que quis lhe mostrar uma forma de ganhar dinheiro com seu corpo, seu novo corpo, a jovem sem muita escolha aceitou, e aprendeu a aceitar um emprego o qual a sociedade não poderia impedi-la de exercer. Ela se tornou ótima no que fazia, aos poucos mudou da casa de sua amiga, e comprou um belo quarto de hotel no centro de são Paulo, onde poderia realizar seu trabalho para empresários ricos, e assim continuar a viver sua vida. Ela nunca teve grandes ambições, apenas sonhava com um mundo diferente, um mundo onde não precisava-se temer sua morte ao andar na rua, temer ao ouvir sua campainha, ou mesmo ao se sentir sozinha. A vida dela em partes era triste por todo preconceito que sofria, mas seria ainda mais se não tivesse  se tornado quem ela era, se ainda fosse Alison, ao invés de Adore.

  Esse era o passado daquela jovem que em frente a janela bebendo tequila admirava os carros na rua, e um casal se beijando em frente a uma padaria, mas ela os encarrava com um olhar de tristeza e solidão, e ela então pegava seu celular, para desligar um alarme que começava a tocar.

  No corredor, enfim o elevador se abria e o empresário rico, adentrava feliz, sabendo que em breve estaria com as esposa e filhos, apenas pausava seus pensamentos para cumprimentar um outro homem que saia do elevador, ele era alto e Careca, seus olhos estavam cobertos por um óculos de sol, incomum por ser madrugada, mas o empresário, pouco se importou. O homem alto andava apressado pelo corredor, em direção ao quarto de Adore, e ao se aproximar da porta ele bateu. E a garota que estava com o celular em mãos, deixava o mesmo em cima de uma mesinha e ia até a porta checar quem batia.

- Boa noite senhorita Adore... Sou Bruno, marquei com você mais cedo... - O homem dizia com um sorriso no rosto.

- Sim... estava esperando por você, é o ultimo da noite. - Dizia a garota ao tentar expressar um sorriso para o cliente.

   A garota então abria a porta, e deixava que o mesmo adentra-se, ele então tirava o óculos e dava uma olhada desde os pés até o rosto da garota, e ela dava uma leve voltinha para ele olhar melhor.

- Gosta do que vê? O que quer que eu faça para você?

   O homem rapidamente da uma risada enquanto a garota fecha a porta de maneira sensual, ele coloca a mão em sua calça como quem iria abrir o zíper, mas retira uma faca e pano molhado de sua cueca, a garota por um instante nota os objetos, mas já era tarde, ele pressionava o pano contra o nariz e a boca da garota, que em poucos instantes cai desacordada.

***


Adore abria um dos olhos devagar, e então o segundo tentando identificar onde estava, ou o que havia acontecido, estava amarrada em uma cama, e uma mordaça estava em sua boca, tentou se mover, mas nada acontecia, apenas a cama fazia um barulho de metal. Chamado pelos barulhos no quarto, o homem que estava na cozinha se aproximava da cama, ele estava com a faca em mãos e uma seringa na outra.

- Acordou aberração? Até que enfim vamos começar a brincar!

Adore olhava assustada, sem saber o que a aguardava, e como sempre o fez todos os dias, temia por sua vida. Ele se aproximou, já estava sem roupas, e tinha muitas cicatrizes no corpo, subiu em cima do corpo da jovem, e colocou a faca entre os peitos dela fazendo apenas um corte superficial no meio deles.

- Prostituta miserável! Você vai ser perfeita, vou te envenenar como fiz com outras 10 e fuder seu corpo enquanto morre! Vou livrar o mundo de vocês travestis aberrações!- Ele dizia em um tom mais grosseiro enquanto aproximava a seringa da barriga da mesma. Ela se debatia, mas o som era confundido pelos vizinhos com sexo, comum daquele quarto.

O homem ria enquanto ela se debatia, e então pressionou a agulha que rapidamente esvaziou seu cilindro no corpo da jovem que por um instante parou de se mexer, e seus lábios começaram a espumar. O psicopata então pretendia iniciar seu sexo, apertando os seios de Adore e lambendo seu pescoço, mas quando o fez, Adore abriu seus olhos novamente, desta vez estavam vermelhos, e ela encarava quanto ele sem saber lambia sua pele que se tornava verde e liberava um liquido. Ele então sentiu um gosto estranho em sua boca, e seus músculos se contraiam.

A garota então usou do liquido que saia de seu corpo para deixar que suas mãos deslizassem pelas amarras, com as mãos livres retirou a mordaça de seu rosto e se levantou assustada enquanto o psicopata a encarrava sem ação se contraindo pelo veneno que tomava conta de seu corpo. Ela temia pelo homem pois não sabia se ele estava morrendo, mas temia muito mais por sua vida, ela tomou coragem pegou a camisa que estava no chão e correu pela porta tentando fugir.

Antes que chegasse ao elevador, ume escudo voou pela janela, e um homem de roupa azul pulou em sua direção, assustada a jovem caia no chão, e o homem loiro que pegava o escudo do chão se aproximava dela.

- A senhorita está bem? Sou o Capitão América e estou aqui para prender um homem chamado Bruno, ele tem feito muitas vitimas, e temíamos que você fosse a próxima, fico feliz, que nada tenha acontecido. - Ele dizia dando um sorriso aliviado, e ao mesmo tempo confuso. - Pela expressão em seu rosto, acho que já encontrou com ele... não é mesmo?

A garota apenas assinalava positivamente com a cabeça, enquanto chorava aliviada e ao mesmo tempo sentindo uma terrível dor, e medo em sua alma.

- Eu... matei ele... eu acho que matei ele...

- Como assim? como aconteceu isso?

- Ele... tentou me matar, e então começou a lamber meu corpo... quando abri os olhos, ele estava de pé espumando e se contorcendo... não sei o que aconteceu... mas acho que matei ele!

- Calma... vamos dar um jeito nisso.

Capitão américa junto da jovem adentraram no quarto onde Bruno já não estava mais vivo, sua boca estava aberta soltando espuma, a jovem observava boquiaberta, sem entender, como isso havia acontecido. O herói que já havia presenciado muitas coisas estranhas, deu uma leve olhada no local apenas passando os olhos, e logo observou uma seringa no chão, ela trazia uma marca estranha mas ArdiH, e logo associou o nome invertido, e percebeu que poderia haver alguma relação com a Hidra. Pegando a seringa na mão, ele se virou para a jovem.

- Desculpe pelo que passou, você precisara vir comigo, precisamos saber o que fizeram com vocês... E se o que temo tiver acontecido... temos que arrumar uma forma de você aprender a controlar isso.

- Como assim? O que é isso? O que fizeram comigo?

- Sua pele... quando está nervosa, manchas amarelas aparecem, assim como numa salamandra, acredito que este homem possa ter conseguido estes venenos com a Hidra, e você acabou sendo um experimento deles... Temos que tira-la daqui, antes que eles o façam.

A garota estava apavorada, mas não queria morrer, então decidiu ouvir o que o capitão dizia, já ouviu muito sobre ele na internet, sabia que era uma pessoa boa, e talvez ele pudesse ajuda-la, não queria ficar ali e ser morta. Ela fechou os olhos por um instante e disse:

- Tudo bem, vou com você.

- Não vai se arrepender.

O capitão puxou um comunicador de seu bolso, e olhando para a garota começou a falar com alguém.

- Senhor Nick Furry, encontrei o assassino, e parece que ele tem ligação com a academia Hidra.

- E a vitima? Está bem? - Dizia a voz do outro lado do comunicador.

- Está sim, mas ele fez algo com ela... suspeito que a Hidra está fazendo testes para transformações com humanos, e ela pode ter sido um caso bem sucedido do projeto, já que o assassino morreu lambendo a pele dela...

- E onde ela está?

- Estou com ela, vou leva-la até a academia, para testes.

***

O Capitão e a jovem Adore no quinjet chegaram na academia, agora em território americano, lá fizeram diversos testes na mesma, e enquanto tinha de esperar pelos resultados, foi pedido que ela estudasse inglês caso precisasse viver na academia. Os exames apontaram que a jovem havia se tornado parte salamandra como o capitão havia dito, por isso era capas de expelir veneno liquido pelo seu corpo quando ameaçada, eles deveriam ensina-la a conviver com esses poderes, e para isso a jovem decidiu ficar na academia, e se tornar uma recruta, assim poderia usar seus poderes da melhor forma possível.
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário
Admin
Admin
Admin
avatar

Mensagens : 13
Data de inscrição : 07/06/2016

MensagemAssunto: Re: [ Adore ] - A Salamandra   Ter Jun 14, 2016 10:50 am

Narrativa Aprovada! Bem vinda a academia senhorita Adore!
Voltar ao Topo Ir em baixo
Ver perfil do usuário http://rpgavengersacademy.forumeiros.com
 
[ Adore ] - A Salamandra
Voltar ao Topo 
Página 1 de 1

Permissão deste fórum:Você não pode responder aos tópicos neste fórum
RPG AVENGERS ACADEMY :: Personagem :: Mini - Aventura-
Ir para: